Quem irá surfar nas Olimpíadas de Tóquio 2020? Veja como a competição está se definindo!

Quais surfistas, nas categorias feminino e masculino, irão representar o Brasil na estreia do esporte nos Jogos, e quem está próximo de se qualificar?

Cerca de 18 atletas estão provisoriamente qualificados para competir na estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

E embora exista uma grande expectativa sobre a estreia Olímpica do esporte, o foco agora é quem vai e quem não vai.

Ainda existem 22 lugares e com apenas um evento restante do World Surf League Championship Tour 2019, os surfistas estão estabelecendo limites.

Um total de 20 homens e 20 mulheres irão competir em Tóquio, mas a competição será apertada.

Apenas dois atletas por país podem se qualificar por gênero, e 18 desses lugares serão preenchidos pelos melhores do tour do Campeonado da WSL 2019. Até o momento quatro homens e quatro mulheres já se garantiram por esse meio. 

Então, faltando apenas nove meses, quem está fora e quem está no ápice?

Qualificação provisional para os melhores do Mundo

Por meio do tour do Campeonato WSL, o japonês Kanoa Igarashi, o sul-africano Jordy Smith, o americano Kolohe Andino e o francês Jeremy Flores já garantiram seus lugares.

A francesa Johanne Defay, a brasileira Tatiana Weston-Webb e a australiana Sally Fitzgibbons e Stephanie Gilmore também conquistaram suas vagas.

Com isso, restam ainda seis lugares para a categoria masculina e quatro para a feminina reservados para surfistas do Tour do Campeonato da WSL. Esses lugares serão determinados durante o Hawaii Pro e o Pipe Masters, entre 25 de Novembro e 20 de Dezembro.

Será um ótimo modo de fechar 2019 para alguns. E uma grande tristeza para outros.

Disputa nos EUA

É aqui que as coisas ficam muito interessantes.

Ainda há uma vaga do masculino disponível para os EUA e atualmente está definido que esse lugar será de John John Florence.

O havaiano ocupa a oitava posição mundial, apesar de ter perdido metade da temporada depois de ter rompido o ligamento do joelho.

Onze vezes campeão mundial, Kelly Slater também tenta conquistar uma vaga. O surfista de 47 anos de idade está 3.000 pontos atrás do surfista de 27 anos de idade e é uma ameaça.

Também do Havaí, Seth Moniz está outros 3.000 atrás de Slater, mas, para ter uma chance de tomar o lugar de Florence, precisará ter um desempenho melhor do que apresentou durante o ano.

John John está instigando o mundo do surfe com vídeos e imagens nas mídias sociais. Se ele surfar no Pipe Masters, que começa em 8 de Dezembro, ele poderá ganhar ainda mais pontos e tirar de Slater uma distinção em seu currículo que ele ainda não tem: a de participar de um Jogos Olímpicos. Slater precisará terminar acima de Florence nesse evento para ganhar pontos suficientes para superar seu rival nas eliminatórias olímpicas.

A candidatura olímpica feminina americana é ainda possivelmente mais intensa, porque uma coroa de título mundial está em jogo.

Carissa Moore, Lakey Peterson e Caroline Marks ocupam respectivamente a primeira, segunda e terceira posição mundial.

A vencedora do título mundial de 2019 conquistará uma vaga olímpica e a vice-campeã ocupará a segunda posição feminina americana.

Batalha brasileira

Os três melhores surfistas do Brasil também terão que participar de uma intensa disputa já que há três surfistas lutando por apenas duas vagas.

Italo Ferreira ocupa o primeiro lugar no ranking de campeonatos da WSL, com o bicampeão mundial Gabriel Medina em segundo e Filipe Toledo em quarto.

Os dois surfistas que terminarem mais alto em Pipe ganharão o ticket olímpico.

Australianos!!!

No surfe australiano masculino, as coisas são um pouco mais diretas.

Owen Wright está prestes a conquistar a primeira vaga reservada para a Austrália.

Julian Wilson, Ryan Callian, e Wade Carmichaelestão em uma disputa quente pela segunda vaga.

Wilson está 2.000 pontos a frente de Callian e venceu o Pipe Masters em 2014.

As duas vagas finais da competição feminina da WSL provavelmente irão para Brisa Hennessy, da Costa Rica, e Silvana Lima, do Brasil.

Michel Bourez, da França, está mais abaixo na tabela de classificação masculina da WSL, ocupando o 15º lugar, mas provavelmente irá garantir a última posição masculina na qualificação do CT.

Eliminatórias para os Jogos Pan-Americanos e qualificação dos Jogos Mundiais de Surfe da ISA

As primeiras vagas de qualificação foram concedidas aos peruanos Lucca Mesinas e Daniella Rosas em julho nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019.

Os Jogos Mundiais de Surfe ISA 2019 garantiram a oito surfistas suas vagas olímpicas.

Shino Matsuda do Japão, Bianca Buitendag, da África do Sul, Ella Williams, da Nova Zelândia, e Anat Lelior, de Israel, foram as mulheres que qualificaram.

No masculino, Shun Murakami, do Japão, Frederico Morais, de Portugal, Ramzi Boukhiam, do Marrocos, e Billy Stairmand, da Nova Zelândia, estarão em Tóquio.

Duas vagas estavam reservadas para os para os surfistas japoneses, mas como Igarashi, Murakami e Matsuda conquistaram seus lugares através das rotas normais de qualificação, dois lugares adicionais estão em disputa nos Jogos Mundiais de Surfe da ISA 2020. Sete mulheres e cinco homens irão garantir as vagas finais neste evento que acontece em maio do próximo ano.

*Todas as vagas são provisórias até que seja feito o anúncio final da Associação de Surfe Internacional na final dos Jogos Mundiais da ISA, em 2020.

“É um sonho virando realidade”- Surfistas sobre qualificação a Tóquio 2020

“É um sonho virando realidade”- Surfistas sobre qualificação a Tóquio 2020

Gostou dessa história? Compartilhe com seus amigos!